• Ramy Arany

O feminino ancestral e a liderança natural

10/07/2020

por Ramy Arany



Em épocas ancestrais as mulheres ocupavam cargos de destaques e respondiam pela liderança de seus povos e das sociedades, sendo ainda respeitadas e valorizadas pelas suas capacidades, por suas sabedorias, sendo, ainda, reconhecidas como sagradas.


Isto até parece uma história inventada do tipo conto de fadas, pois a trajetória do feminino através dos tempos nos mostra ideias e valores completamente diferentes no tocante à mulher. Porém, isto existiu nesses tempos e era profundamente natural que as mulheres fossem as grandes líderes, as gestoras, as administradoras, as governantes, em fim, a liderança das sociedades e povos e ainda mais, sem deixarem de ser as grandes mães que eram, as esposas, as mantenedoras da nutrição e sem dúvida alguma as sustentadoras da continuidade da vida. Nessa época também havia uma grande união entre as mulheres, formando uma grande força feminina capaz de fazer frente a situações de grandes impactos.



Esta história provoca em nós mulheres um desejo de retorno a esse tempo de respeito e de liderança feminina e a curiosidade de saber como elas conseguiam se sustentar nessa liderança tão natural? Qual poder elas tinham lá no passado que hoje nós não temos mais?


A Natureza, uma “Mãe”


Posso dizer que o que havia é que elas eram assumidas como mulheres e reconheciam a força feminina, eram muito próximas à natureza e reconheciam-na como “Mãe”, aprendendo com sua sabedoria o que é ser mulher! Mas podemos ainda pensar em como isto é possível? Será que a natureza tem alguma coisa para ensinar para nós mulheres? Como podemos aprender sobre sua sabedoria se a natureza não fala? Neste ponto elas discordavam de nós, mulheres atuais, que não temos tempo de nem sequer olhar a lua no céu e saber em que fase ela se encontra, muito menos o que isto significa. Elas escutavam a voz silenciosa da natureza que ensina calada através de sua manifestação. Assim, elas aprenderam sobre a essência gestadora que permite à natureza gestar e parir tudo no todo da existência e ainda aprenderam com essa mãe-sábia sua metodologia gestadora, ou seja, aprenderam a gestar a vida a partir da natureza.


Desta forma, as mulheres dessa época sabiam ler os sinais da natureza, sabiam como a mãe natureza gesta e pare, sabiam suas leis e lideravam e conduziam seus povos como a natureza lidera e conduz a existência. Por isto eram respeitadas, pois eram naturais e sábias como a mãe-natureza, que é a origem de todos as espécies das quais o ser humano é apenas uma delas. Assim, o feminino na sua representação através das mulheres, sempre foi a liderança natural, e que hoje nos faz tanta falta, pois as mulheres se encontram distantes tanto da natureza quanto da natureza de si mesmas: o feminino.


Como retornar à liderança natural se as mulheres desconhecem seus direitos de origem e desconhecem ainda sua própria natureza? É necessário retornarmos à essa consciência mais natural e resgatarmos nossos verdadeiros talentos.



Talentos Femininos


Gostaria de presentear a todas que se encontram lendo este artigo alguns dos principais talentos femininos que, em primeiro momento, necessitam ser aceitos e reconhecidos por nós mulheres, pois se não tomarmos posse do que nos é de direito natural, esses talentos nunca serão fortalecidos em nós e muito menos reconhecidos pelo todo de nossa sociedade. Assim, o primeiro passo para resgatarmos a liderança que nos é natural, é conhecermos mais de perto nossas qualidades essenciais e sabermos construir nossas vidas a partir delas, manifestando-as no nosso dia-a-dia.


1. a mulher é uma grande força gestadora, portanto tem potencial para gestar, construir tudo que é necessário para sua existência;


2. a mulher é mais focada, mais flexível e procura compreender as situações nas suas várias dimensões;


3. a mulher tem uma grande capacidade de planejar, pois tem também a capacidade de reunir o que é necessário a um foco, a uma ideia, a um projeto;


4. a mulher tem maior visão da parte e do todo o que lhe permite ver claramente cada parte que envolve um projeto, uma ideia, um foco, ao mesmo tempo que tem a visão do todo, que envolve cada parte e todo por inteiro;


5. a mulher é uma grande força de manifestação, pois tem o potencial de parir. Assim, é capacitada para gestar ideias, focos, e trazer isto do plano das idéias para o plano da concretização;


6. a mulher é uma grande força precipitadora, condutora, sustentadora, nutridora dos focos das ações manifestadas, das escolhas, das ideias;


7. a mulher tem maior visão de continuidade e se conduz para isto;


8. a mulher tem um sentido mais apurado de percepção, vê mais longe, mais profundo, mais amplo;


9. a mulher tem sua percepção através de áreas não comumente exercitadas pelo cérebro, como por exemplo, hemisfério direito e glândula pineal, o que lhe dá um sentido além das aparências.



Como finalização deixo às mulheres a oportunidade de amadurecerem o que foi aqui trazido, bem como um chamado para a missão feminina de transformação das velhas crenças e dos valores que dão a formação de um padrão de comportamento já inadequado, principalmente, frente aos desafios deste novo tempo pós a pandemia da Covid-19.


O chamado é para nós mulheres voltarmos à sabedoria ancestral e nos unirmos e cuidarmos das mulheres em geral, da natureza e do feminino, para que deixemos ancorado o caminho da continuidade, para que as meninas do hoje possam ser as grandes mulheres e líderes sábias do amanhã.

Copyright © 2020 ANovaMulher. Todos os direitos reservados.